• Cape Psicologia

Enfrentando o Bullying nas Escolas

por Vivien Rose Böck, psicóloga e coordenadora do CAPE

O fenômeno bullying não é novo nas escolas mas, nos últimos anos, a psicologia escolar e a sociedade têm se debruçado com maior atenção em função de sua gravidade e aumento na frequência com que tem surgido. A palavra inglesa bullying deriva de bully que quer dizer valentão, brigão e denota um tipo especial de violência muito comum nas interações entre pares, especialmente entre crianças e adolescentes nas escolas. Consiste na imposição de violência física ou psicológica, de forma repetida, sem motivação aparente, em relações de desequilíbrio de poder.

Para que o fenômeno se verifique, é preciso que as vítimas sejam “selecionadas” pelos agressores, que passam então a inferiorizá-las com a repetição de agressões. Por isso, uma briga ou uma gozação eventual não se configura em bullying, pois é necessário que seja uma ação repetitiva. Também é muito comum ouvir que os alunos fizeram bullying com o professor: isto não é bullying, mas pode ser considerado falta de limites ou de respeito. Também não é bullying quando o professor ofende o aluno: isto é abuso moral. Bullying é entre pares, entre pessoas em categorias iguais – alunos com alunos, ou professores com professores. Entre os comportamentos que configuram como bullying estão ofender, humilhar, espalhar boatos, isolar, bater, perseguir, assediar, roubar, quebrar pertences.

É um problema mundial sendo encontrado em toda e qualquer escola, seja ela pública ou particular, rural ou urbana. Os adultos muitas vezes minimizam a importância destes fatos, principalmente os pais dos agressores, e a falta de resposta facilita a formação e a consolidação de modelos de comportamento, rotulando quem é vítima e quem é agressor.

Papéis relacionados ao bullying:

Autores ou agressores – em geral são alunos com pouca empatia. Podem provir de famílias com pouco relacionamento afetivo entre os membros ou com pais que exercem supervisão pobre sobre os filhos, toleram e oferecem como modelo um comportamento agressivo ou explosivo.

Nos EUA (2009), sabe-se que cerca de 60% dos autores de bullying, entre o 6º e 9º ano são condenados por pelo menos um crime até a idade de 24 anos.

Vários são os motivos que os levam a esta prática, entre eles: inveja (sucesso da vítima), preconceito, busca pelo poder (para o centro das atenções), mídia (o que vê na tela) e repetição (do modelo familiar).

Vítimas – são os alunos que sofrem as agressões. Não há um perfil único, mas frequentemente são alunos com poucas habilidades sociais. Têm poucos amigos, são passivos e não reagem efetivamente às agressões sofridas. Podem ser filhos superprotegidos e pouco assertivos.

Há também a vítima provocadora, que apresenta um funcionamento invasivo, intrometendo-se em conversas e brincadeiras, cometendo “trapalhadas” sociais que os outros da mesma idade evitam.

Os alunos vítimas passam a ter baixo rendimento escolar, resistindo ou recusando-se a ir à escola, apresentando distúrbios psicossomáticos, como dores de cabeça, dores de barriga e febre. Estudos demonstram uma forte prevalência de casos de depressão e forte ideação suicida.

Testemunhas – são a grande maioria dos jovens. Eles convivem, assistem a violência e se calam por medo de serem “a próxima vítima”. Sentem-se inseguros sobre o fazer e incomodados com a violência e também podem ter prejuízos acadêmicos e sociais. As consequências são perniciosas para todos os envolvidos. Em certos casos a situação se converte em um cenário fechado e clandestino.

Em alguns casos, a vítima acaba aprendendo que a única forma de sobreviver é se converter em um agressor, desenvolvendo a crença de que a violência é inevitável. Resulta também na diminuição da autoestima, tendência a isolamento e efeitos graves sobre o rendimento acadêmico.

O Bullying é um problema complexo e de causas múltiplas, portanto cada escola deve desenvolver sua própria estratégia para reduzí-lo. De modo geral, a escola deve:

  1. Desenvolver programas de prevenção disseminando o conhecimento sobre este tema para os alunos, professores e pais;

  2. Capacitar docentes e funcionários para o diagnóstico e desenvolvimento de manejos específicos;

  3. Agir precocemente contra o bullying (quanto mais cedo cessar, melhor será);

  4. Manter atenção permanente;

  5. Orientar os alunos/vítimas e seus familiares, oferecendo apoio psicológico e encaminhar para o atendimento especializado quando necessário;

  6. Conscientizar os alunos/agressores e seus familiares sobre as consequências do bullying e garantir compromisso destes com um convívio respeitoso;

  7. A punição aos agressores deve ser vinculada a práticas restaurativas;

  8. Colocar a disposição da comunidade escolar denúncias anônimas em caixa para recados, junto ao SOE ou com professores.

#Bullying #ImportânciaPsicologiaEscolar #Psicólogonasescolas

0 visualização
Entre em Contato

E-mail: cape@capepsi.com.br

Telefone: (51) 3516.5681

Escreva seu e-mail no campo abaixo para receber notícias e avisos de abertura de cursos:

Siga-nos no facebook:

CAPE - Centro de Aperfeiçoamento em Psicologia - cape@capepsi.com.br